A criança continua precisando da mãe após a chegada do irmão

“Quando meu filho de dois anos e meio entrou no quarto para conhecer o irmão, me dei conta de que ele não é mais um bebê.” Esse comentário, muito comum após a chegada do segundo filho à família, demonstra a compreensão natural de que o primogênito está se tornando uma criancinha: já se comunica bem, tem autonomia para realizar algumas atividades, come sozinho do próprio prato e pode até já ter deixado as fraldas, o que é maravilhoso e muito saudável.

A mãe, transbordando de ocitocina, percebe a partir daquele momento que deve se dedicar prioritariamente ao recém-nascido que, afinal, precisa dela em tempo integral. Com sorte e com alguma rede de apoio, avós, tios e amigos se oferecerão para ajudar com o mais velho, já grandinho, para que a puérpera cuide do bebê.

Para a criança é tudo muito divertido: passeios, presentes e agrados no intuito de compensar o fato de que ela deixou de ser o centro das atenções. Mas quando chega em casa, o filho mais velho entende que o bebê passou a tarde sozinho com a mãe que, até então, era só dele. O resultado? “Birra”, rebeldia e desobediência.

Já cansada e sem muita energia (os primeiros meses de vida do bebê são realmente exaustivos), a mãe associa o “mau comportamento” à idade. “É uma fase e vai passar. A criança teve um dia ótimo e se divertiu muito, deve estar cansada.”

Mas o que realmente acontece, repetidas vezes, é que o filho mais velho continua precisando da atenção da mãe após a chegada do irmão. Mesmo que já esteja grandinho. Mesmo que ame os tios e avós. Mesmo que não seja mais um bebê.

O que essa criança quer e necessita, de verdade, é do famoso tempo exclusivo com a mãe. Por isso, quando aquela tia incrível, que tem um super jeitinho com bebês, se oferecer para levá-lo para tomar um sorvete, pode ser o caso de pedir para que ela fique com o bebê por uma horinha, entre as mamadas, enquanto a mãe acompanha o mais velho até a padaria do fim da rua para um momento a dois.

Sentir que continua tendo momentos só dele com a mamãe fará toda a diferença para a criança. Se você é mãe, transforme essa ideia em ação. Se você é rede de apoio, ajude a fazer acontecer <3