Confie em sua intuição. A melhor forma de criar filhos está em seu DNA

De uns anos pra cá percebo, em muitos grupos de mães, a vontade de fazer mais e melhor na criação dos filhos, desde a gestação, passando pelo nascimento, aleitamento, sono, introdução alimentar até a educação positiva, um exercício para toda a vida.

Esse esforço é lindo demais. Enxergamos, em nossos filhos, uma forma de entregar ao universo alguém mais completo que nós. Com menos preconceitos, mais empatia, aberto ao novo.

Enquanto trilhamos esse caminho, precisamos estar atentas à nossa intuição. Muitas vezes estamos tão conectadas aos “manuais” de maternidade, nos quais tudo tem um nome novo, muitas vezes em inglês, que esquecemos que essas técnicas de parentalidade, que prefiro chamar apenas de maneiras de criar crianças, vêm sendo aplicadas há gerações e gerações e estão gravadas em nosso DNA.

Parir de cócoras, amamentar em livre demanda, colocar o bebê para dormir na mesma cama que a mãe, oferecer uma banana para que a criança leve sozinha à boca… tudo isso acontece desde que os primeiros humanos habitam o mundo.

Não se deixe enrijecer pelas regras dos manuais, ou pelos palpites de outras pessoas. Você é a mãe. Conecte-se com suas memórias ancestrais, perceba o que diz seu coração e escute sua intuição. E, se mesmo assim restar dúvida, lembre-se de que os livros existem para ajudar, e não para limitar.