Que tal trocar a culpa materna por aprendizado, amor e gratidão?

“Quando nasce uma mãe, nasce a culpa”. Essa frase, que circula pela internet, é tão verdadeira quanto cruel. Nós, mães, vivemos transformações constantes. Essas transformações ultrapassam nosso corpo, nossos hormônios, nossas mentes cansadas e muitas vezes sobrecarregadas, e envolvem as transformações de nossos filhos, desde a gestação até a vida adulta.

Mas e se, em vez de culpa e cobrança, você enxergasse essas “derrapadas” como oportunidades para trilhar um caminho mais leve na próxima situação desafiadora que lhe for apresentada?

Quando olhamos para trás com amor e gratidão, ao invés de culpa e cobrança, enxergamos os padrões que não queremos repetir, hábitos que gostaríamos de mudar e crenças que não nos dizem respeito e conseguimos percebê-los como ferramentas importantes que usaremos para construir nosso trajeto.

A maternidade não é uma estrada plana, que encontramos pronta assim que nosso bebê chega ao mundo. Ela precisa ser pavimentada pouco a pouco, com base em nossa experiência, e pode nos levar por uma rota mais reta ou por desvios longos. Quando exercitamos nossa escuta interior, enxergamos com mais clareza e evoluímos, aprendendo e saindo da zona de conforto.

Você está pronta para olhar para dentro de você?
.
.
.
🎨Ilustração de Claudia Tremblay